sábado, 18 de novembro de 2006

Dia_positivo 5



Mãositas aflitas procuraram o parapeito e assim se sumiu para dentro. Maria correu; num passo galgou a escada noutro estava no quarto e Nereu já tinha uma tremenda palmada no rabo. – Estranho prémio para insuperável acrobacia aérea, merecedora de ficar nos anais da história! (como aliás nesta ficou) Coisas da vida.
Maria reforçou o prémio com: –Ficas de castigo. E mais não disse, depois de fechar a janela. Nereu, de rabo a arder, ainda assustado, para ali ficou; do castigo não sabia nada.
Maria, essa chegou-se à chaminé, remoendo palavras, olhou pró fogão mas decidiu-se pelo Hipólito, fogareiro a petróleo, que carregara. Tacho ao lume água sal, cebola de cravo cabecinha cravejada, esperava pelo ferver; lá de baixo: Oh vizinha, -trejeito de cabeça que soltou uma mecha do cabelo já mal apanhado. Oh vizinha, -encolher de ombros. Oh vizinha maRIAAA!. –espreitou à janela. O menino? –Vai comer. –Está bem? –Está de castigo. OOOH. Fechou a janela.
Arroz dentro, dez minutos de fogoforte mais tarde, estava pronto ; num ápice aqueceu o coelho que não quisera deixar para trás sozinho; acompanhado viera já guisado com as ervilhas cenoura, muita cebola, tomatito e raminho de hortelã.
-Pra mesa, vai lavar as mãos. -Aonde? -À casa de banho. -Aonde? -Arre o garoto! ao cimo da escada, rais parta. Erecteu… correu, abrandou ao passar pela avó, acelerou de novo direito à porta.
Tinham casa de banho.
TINHA CASA DE BANHO!

4 comentários:

Maria disse...

Tenho tantas recordações passadas na casa-de-banho...

Erecteu disse...

Bolachinha,
Temos ;)
Beijinhos

maria_arvore disse...

Espectacular a transmissão dessa sensação já quase esquecida do que é ter casa de banho.
E não foi assim há tantos anos que em Portugal era um luxo. ;)

Erecteu disse...

É verdade!
Fui buscar isto a uma conversa que tive com una simpática trabalhadora alentejana, mais não conto aqui por respeito pela fonte.