quinta-feira, 20 de março de 2008

A nação do estado

As bifas tardam em chegar tal como as andorinhas, mas agora é que vai ser. As Caramelitas, nostras hermanas, já começaram a arribar!
É uma alegria vê-las a chilrear, Rossio acima mirando os nossos atoalhados, impropriamente chamados de turcos!
Não fora o carpir arrependido de Pedro e outro galo cantaria mais de três vezes, mas a moinha caldosa resolveu instalar-se, penitente, para melhor se celebrar a Paixão, o que não permitirá certamente contemplar as hermosas espaldas das niñas, Chicas ou Consuelos.
Numa tentativa de adaptação metereológica fiz-lhes a espera lá para os lados d'El Corte Ingles, isso, aí mesmo ao lado do laureado Parque D. Edardo VII, que magnífica vista nos proporciona até bandas de além Tejo.
Para que não aflorem ideias iberistas, o digno alcaide D. António Costa, caudilho da nossa mui nobre urbe, solenemente faz assinalar a nossa soberania com gigantesca bandeira nacional que, em ocasiões solenes, tanto arrepio pela espinha nos causa, como por exemplo as cantatas do hino em jogos da nossa "selecção nacional de raiguebêtas".
Pois então!
É este o estado da Nação
Boa Páscoa a todos

3 comentários:

Fausta Paixão disse...

muito grata por não te esqueceres de celebrar a paixão. pena é que a celebres assim tão esfarrapado.

(e pronto, roubei-te... mas estarei sempre perdoada, julgo!)

maria_arvore disse...

Podes sempre oferecer abrigo da chuva a nuestras hermanas. ;)

Mais difícil será dar auxilío para remendar o que rasgado está, porque mesmo gritando e gesticulando passámos a viver num país de surdos e cegos. ;)

Erecteu disse...

Paixão,
Volta sempre nem precisas de ser perdoada.

-----
Marie-Baum,
As hermanas que venham.
Se já não tiver conserto... porra, faz-se uma nova. É para isso que cá andamos.