domingo, 23 de março de 2008

AGNUS DEI, Delacroix

Aleluia – até a mim me soa a pastor Tadeu – aleluia que hoje há carne sem ter que se pagar bula. Contentes? Fossem vocês o cordeiro e sentir-se-iam mexilhão entalado entre o mar e a rocha. Mas isso é lá problema dele que promovido a agnus dei tem o privilégio de simbolizar Aquele que, por amor, se fez sacrificar libertando-nos do pecado original!

E porquê o Borrego? Sei lá! Desde os tempos em que Moisés teve que dar cabo das 12 tábuas, que afinal eram de pedra, por causa de um bezerro doirado, ao bovino restou a personificação de Lucas e viv'ó velho.

O que resta? Cavalo, era uma nobre raridade e camelo demasiado rijo; bicho de bico raridade de menos e ainda menor nobreza; porco... talvez fosse antecipar sarrabulha à Herodes.

Olhem calhou ao o borrego fazer de mexilhão e prontos.

Bon a petit, ou seja: bom é o pequenino (três meses)


Ensopado de Borrego (d’aqui)

Ingredientes:
Para 8 pessoas

2 kg de carne de borrego (costeletas e sela) ;
500 g de cebolas ;
2 colheres de sopa de farinha ;
200 g de banha ;
5 dentes de alho ;
1 folha de louro ;
1 colher de sopa de pimenta em grão ;
1 colher de sobremesa de colorau doce ;
1 ponta de malagueta ;
1 kg de pão caseiro ou de segunda ;
sal
Confecção:

Corta-se a carne em bocados, que se passam pela farinha. Retiram-se 3 colheres de sopa de banha e aquece-se a restante num tacho de barro. Introduz-se a carne neste tacho e deixa-se alourar.
À parte, noutro tacho de barro, faz-se um refogado com a restante banha, as cebolas cortadas ás rodelas, os dentes de alho cortados, o louro e a pimenta em grão.

Na altura de servir, tem-se o pão cortado em fatias numa terrina, sobre a qual se deita o caldo do ensopado depois dos temperos rectificados.
A carne serve-se à parte numa travessa mas ao mesmo tempo.

2 comentários:

maria_arvore disse...

Tens toda a razão que um povo de pastores o que tinha mais à mão eram mesmo borregos. :)
Ainda hoje a tradição se mantém quando aquelas senhoras à beira da estrada matam um borrego.;) Adiante.
Obrigadinho pela receita que só de ler faz crescer água na boca. :)
E lembrei-me de uma brincadeira em francês:
Un grand AB plein de a petits.

Erecteu disse...

Maria!
Imaginar-te de á gua na boca! Até se me arrepanha o âmago.
E já agora, parodiando o que é petit: Sumol is beautiful, né?