sexta-feira, 6 de julho de 2007

Cá o rapaz é assim VIII



Acordara irritada e nada parava de a irritar. Há dias assim! Marcar um jantar para o dia seguinte e ainda por cima com aqueles convencidos, merdosos é que era.
-Vê lá como falas.
Era o que faltava, agora até com a maneira de falar entenicava!
-Pronto pirosos, interesseiros e, e… merdoso, disse desafiadora.
Gustavo olhou para ela, não disse nada, agarrou na pasta dirigiu-se para a porta, estacou voltou a traz e beijou-a na testa; apertou-lhe suavemente o ombro e disse-lhe: -Porque é que não sais? Vai até um cinema, liga a uma amiga…
-Não me apetece, faltava agora seres o meu guia!! Disse acabando a frase num tom ligeiramente alterado.
Sorriso amarelo ainda lhe atirou: -Porque não vais às compras? O Natal não tarda…
-Deixa-me, por favor deixa-me, respondeu a meia voz, olhos aguados.
-Está bem, por favor telefona-me, se qui… lá mais para diante. E saiu.
Um aperto no estômago apoderava-se dele, reviu os últimos anos das suas vidas, a entrega total à família, a boa situação que tinham, nada, nada parecia satisfazer Guta; durante uns tempos a coisa ainda foi indo, sem dúvida que o psicólogo ajudara. Maldita a hora em que brincara com isso, tinha sido simplesmente para banalizar, desvalorizar… maldita a hora.
Uma violenta buzinadela trouxe-o de volta, ia fazendo a bonita, nem deu pelo Stop! Concentrou-se, direccionou os pensamentos para a empresa.

Guta levantou-se de um pulo, passara mais de uma hora no sofá sem dar por isso, sem nada fazer. Dirigiu-se à pequena casa de banho, escovou rapidamente o cabelo, mirou-se e achou que devia por um pouco de cor no rosto, -à fava, pensou. Agarrou no carro e dirigiu-se para a estrada de Sintra, andou uma centena de metros e virou bruscamente o carro na outra direcção.

-Que é isto?
-Isto o quê?
Encarnado como um tomate, gaguejou e nada convincente dissera-lhe: -Era para ti, tenho-a aí há nem sei quanto tempo.
-Para mim uma flor? Nunca me deste uma flor!
Irritado, encarnado, gago: -Ma… mas era.
Não voltaram a falar sobre o assunto, se ele pensava que a comia por parva, bem podia esperar sentado. Uma flor, uma simples flor já seca dera cabo de tudo.
Ficara-lhe a imagem dele mochila dela a tiracolo e dela apoiada no braço dele. Era uma parvoíce já lá iam quantos meses… fora em Abril, Maio? Dina prometera que ligaria mas… é o ligas…
Parqueou mesmo junto ao elevador e resolveu dar uma volta pelo shopping, tomou as escadas rolantes, deu uma volta pela FNAC com a sensação de que a poderia encontrar, caminhou por um lado e por outro atraída pelo pressentimento de que ela estaria por lá, se calhar no corredor oposto até, Assim deambulou até lhe doerem os pés, desistiu. Sentou-se no bar e para ali esteve até ter consciência que não serviam às mesas, foi buscar um café, beberricou um pouco e pô-lo de lado, não lhe sabia bem. Há dias assim. Sentiu-se perdida, não sabia o que fazer, decidiu-se por fim voltar ao carro, rumou às escadas, procurou as chaves, desequilibrando-se pois não dera pelo seu fim. Recompôs-se, prosseguia quando ouviu:
-Olá.
Não ligou, mas o olá repetiu-se.
Sorridente por trás dos óculos escuros, repetia-lhe enquanto tirava os óculos.
-Olá como está?
O coração parou-lhe para desenfrear depois, era ele.




desculpem a rapidinha, 30" foi o que se arranjou

Grito de Alerta
Primeiro você me azucrina,
me entorta a cabeça
Me bota na boca um gosto amargo de fel
Depois vem chorando desculpas , assim meiopedindo
Querendo ganhar um b ocado de mel
Não vê que então eu me rasgo
Engasgo, engulo, reflito, estendo a mão
E assim nossa vida é um rio secando
As pedras cortando, e eu vou perguntando: atéquando?
São tantas coisinhas miúdas, roendo, comendo
Amassando aos poucos com o nosso ideal
São frases perdidas num mundo de gritos e gestos
Num jogo de culpa que faz tanto mal
Não quero a razão pois eu sei o quanto estou errada
O quanto já fiz dest ruir
Só sinto no ar o momento em que o copo está cheio
E que já não dá mais pra engolir
Veja bem, nosso caso é uma porta entreaberta
Eu busquei a palavra mais certa
Vê se entende o meu grito de alerta
Veja bem, é o amor agitando meu coração
Há um lado carente dizendo que sim
E essa vida da gente gritando que não

8 comentários:

Maria disse...

Uma rapidinha tua vale 1 hora ^-^



beijinhos fofo

Erecteu disse...

Bolachinha :)
mas à segunda já não tinha piada ;)

diefe disse...

Ah... mais um capítulo, boa...:)
bjks

rui disse...

Olá Compadre

Isto está um requinte, cheio de pormenores, gestos, emoções, vocabulário variado e, com muito ritmo de escrita.
Não existe forma de "entenicar" contigo :)))

Grande abraço compadri

fresquinha disse...

Adoro esta música da Betânia. A Rainha da Música Brasileira. Vou-te roubar um texto ... Jokas.

maria_arvore disse...

Os desencontros são às vezes apenas o equívoco do encontro das depressões de cada um. ;)

E não estou a "entenicar" contigo que gosto mesmo do que li. :)

Erecteu disse...

Di,
Lá saiu, finalmente :) tinha-o pensado para 30 dias mas...
Bjs

-----
Compadrão.
Sem saberes entenicas, pelo lado bom mas entenicas mesmo. :)

-----
Fresquinha,
Só consegui os 30" :(
Se alguém tiver o ficheiro e o puser no immem, ou o mailar a gerência agradece.
Ah! O que para aqui está é para o pessoal se servir.
Bjs.

-----
Sweet-baum
:) :) como dizia ao compadri, entenicas e bem.
Beijão

fresquinha disse...

Não roubaste nada ...óooo ...lá podes roubar tudo porque é quase tudo roubado :-)e ladrão que rouba ladrão, (completa a frase)Jokas