domingo, 25 de março de 2007

Cá o rapaz é assim III

Olhou para o relógio antes de o afivelar no pulso. Tinha bastante tempo a bicha, desculpem, a fila só se começaria a desfazer depois das dez. Hesitou* Exitou na eau-de-toillete, preteriu a Hugh Boss que lhe ofereceram lá na empresa, só pelo Boss obviamente estúpido, optou pela Chevalier D’Orsay que o distinguia dos aromas disseminados por qualquer centro comercial. Com a gravata decidiu-se de imediato pela de seda suíça, estampada em tons rosa velho e lilás foncé, com discretas inserções de miró; alguns achariam um pouco desadequado mas tinha criado um património de credibilidade que lhe permitia subtis desvios, diga-se de passagem, que eram prontamente objecto de tentativa de cópia do Araújo Collaço, sacana de advogado caneco. Por momentos, perdeu-se em pensamentos, à volta do Collaço, por quem nutria um ódio de estimação que vinha mantendo, deste os tempos de faculdade, nas velhas RIA’s. O sacana do MR-dum-caneco, como era conhecido, boa luta então lhe dava! Engraçado era como o bastardo, soubera fazer-se à vida, agora colado ao poder, sem muito se cmprometer. Viesse o governo que viesse, o “caneco” estava sempre na maior, e era isso exactamente que o tornava útil, quase imprescindível, lá na empresa. Despertou destes pensamentos e acabou de se arranjar: colocou os suspensórios, vestiu o casaco e deu uma ultima mirada ao espelho, aproveitando para ajeitar o cabelo.
Enquanto descia as escadas, pensou que deveria reforçar o programa no ginásio pois, ou muito se enganava ou estava a ficar menos tónico. Decidiu também que os sábados ficariam destinados ao ténis, o golf ficava reduzido aos domingos.
Chegado á sala de jantar, cumprimentou com um beijo na testa a mulher e jovialmente sem olhar para ela: -Bom dia Guta, dormiu bem?
Sentou-se e procedeu ao trivial pequeno almoço: Torrada com ligeiro doce + sumo de laranja + Jornal Económico. –Desculpa, disse ele levantando os olhos para a mulher quando se apercebeu que dizia qualquer coisa.
-Como quer fazer?
-Fazer, o quê, amor?
-Levamos os dois carros?
-Não querida, vou consigo no seu. O motorista leva o Volvo directamente para a assistência e nós podemos ir pela Marginal. Acha bem?
-Perfeito querido.

Saíram com o pequeno Audi 4 pelos portões de ferro forjado que se abriram automaticamente, ela sorriu ao leve apertar de joelho. Contornaram a o Forte da Cidadela, passaram pelo mercado, estação, Jumbo e só a partir daí o trânsito começou a fluir. Gustavo ligou o rádio,



Guta colocou os óculos de sol, reclinou ligeiramente o encosto, virou a cabeça para a janela recebendo o sol morno do meio da manhã.

No parque de estacionamento, declinou o amável convite para subir.
-Então o que vai fazer?
-Sinceramente… não sei, apetece-me fazer qualquer coisa de diferente.
-Não quer almoçar comigo?
-Obrigada querido, mas sei que os seus almoços são trabalho.
-De facto… Não tenho nada na agenda mas não me admirava se me encaixarem qualquer coisa à última da hora.
Trocaram de lugares, antes de fechar a porta, curvado Gustavo beijou-a suavemente nos lábios, apertou-lhe com o nó dos dedos a face, disse-lhe adeus sorrindo –Porte-se bem e dirigiu-se para os elevadores.

Guta subiu a rampa sentindo-se encadeada pela luz do dia.
Gustavo saiu no décimo primeiro piso, dirigiu-se para o seu gabinete respondendo aos cumprimentos, abriu a porta onde uma discreta chapa de cobre indicava:
Engº Gustavo Miranda de Azevedo
Director Geral

Foi até à secretária sem naquele dia reparar no verde de Monsanto nem no azul do Tejo.
Guta foi conduzindo pela cidade, desceu a Calçada de Campolide, passou pela Praça de Espanha, perdeu-se em pensamentos e viu-se na 2ª circular estranhamente perdida. Parou no parque de estacionamento exterior. Quando ali entrou, pela segunda vez, interrogou-se se estaria bem pois abominava Centros Comerciais. Eram quase 11:30.
*Hesitou - Emendado por Toix, fica aqui para minha vergonha.

13 comentários:

maria_arvore disse...

É de facto muito difícil esta vida de um casal de Cascais. ;)) Como um requiem. ;))

Agora confesso que senti alguma solidariedade com o rapaz quando pensou nos MR's agora colados ao poder.;)

(diz-me só uma coisa -que a chapa não se lê- o rapaz é advogado?)

Erecteu disse...

Obrigado Maria,
Quiz botar-lhe uma letra panelêra e...
Esteve para ser as Quatro estações de Vivaldi - muito soft, pensei na ou a Sacração da Primavera que me agradava mais de Stravinsky, mas depois derrapou para o Requiem, falta de know how condiciona "cá o rapaz" ;)
Beijos

Maria disse...

Bi-cha! Bicha, pá! Essa mania da fila mete raiva.

:P

beijinhos

Fausta Paixão disse...

ôlhe rico... tem alguma coisa contraaa?!
não é tão EXtraOrdiNÁrio a gente poder viver sem se misturar com o povooo?

Erecteu disse...

Bolachinha,
Apanhaste-a ainda ela ía no ar :)

-----
Fausta,
NÓoos não nos misturaaamos com o PÔO-VO, mas o pôo-vo mitura-se CÔN-NÔS-CÔO :)

maria_arvore disse...

Erecteu,
julgo que este novo blogger não atina com coisas panelêras que também me apaga videos e músicas.

E mesmo que me pareça que o Requiem assenta como uma luva neste texto se quiseres, vê se era isto que querias:
http://www.goear.com/listen.php?v=8024f7b
http://profile.imeem.com/FEapi1/music/dPvewbsP/le_sacre_du_printemps_1/
:)

Isabel disse...

Gostei muito.
Uma caricatura bem feita de uma realidade que sempre existiu e continuará a existir.
Pena que assim seja.
Temos no entanto que analizar que o teu texto é uma caricatura e não uma generalização.
è a primeira vez que aqui venho e estou quase certa porque li o resto do blog que essa é a tua intenção no entanto temo que alguns leitores possam dai tirar conclusões generalistas.

Gostei do blog.
Bastante.
E vou voltar.

Isabel

Nanny disse...

Que vidinhas frias... só lhes invejo os €, que até me davam jêtinho!

Beijoca da gata

Toix disse...

Ó meu grande sacana, quem foi a tua professora de português? Hesitou é assim que se escreve?

Erecteu disse...

Nanny,
Nã temos os €uros ma temos outras “cousas”

-----
Toix,
A professora era boazona mas eu coitado, fraco de carnes e de cabeça débil… deu no que deu :(

António Melenas disse...

Cum caraças! Aqui está um blogue fixe. Gostei do tom geral e gramei bué dos textos "Cá o rapaz é assim" II e III, mas cadê o I?
O estilo faz-me lembrar o romance policial negro dos américas (uma das poucas coisas que os sacanas fazem e eu gosto)
I'll come back

Erecteu disse...

Meu caro Melenas,
Descobri-lo foi um feliz acaso.Tenho que com calma vasculhar os seus baús.
Relativamente ao rapaz os textos têm ligaçoes.

I ... enquanto ajeitava o lenço no pescoço assobiando.

Um abraço

diefe disse...

Tem que haver sempre uma pobre professora de Português pra pagar a factura....:(