domingo, 15 de julho de 2007





Filho, onde é que tens a cabeça?
Quis a natureza, digamos assim para simplificar, fazer-nos diferentes, mas nós teimamos na quimera de sermos iguais.
Atentem na contradição: Sendo a natureza perfeita, teimamos em refazer o que ela fez. Não será isto o rosto da vaidade humana?
Liliputianos, leva a nossa fragilidade em teimar alcandorarmo-nos em tamanquinhas que nos tirem preocupações. Se recuarmos às origens da nossa civilização damos com os gregos que se suportavam numa plêiade de divindades, os seus herdeiros, os romanos, empreendedores construtores de um novo império, nada mais fizeram do que um restyling da velha mitologia. À semelhança dos homens os deuses eram detentores das suas virtudes e defeitos; para nosso deleite, souberam os “homéricos” naradores, em astuciosa verve de entretenga traduzir no papel os conflitos humanos de que Ilíada e Odisséia são belo exemplo. Mais tarde Virgílio num perspicaz jogo de promoção da imagem de César Augusto, presenteia-o com a Eneida.

Subjugada a “Helénia” por Roma, não interessa agora se dos latinos e sabinos ou dos etruscos., estiveram os deuses postos em sossego até que Pedro, percursor do assalto magrebino de hoje, aparece com a ideia bizarra de que deus há só um, o que lhe valeu o glorioso fim de bizarramente acabar crucificado.
Diz a tradição que exigiu que o fosse de pernas para o ar, já que não se considerava digno de morrer da mesma forma que Cristo. Mas de que é que estava à espera, ele e os 32 que se lhe seguiram, à excepção de dois para confirmar a regra?

Os números é que mandam tendo sido precisos o 33, tantos quantos os anos de vida de Cristo, para que dessem a volta ao Imperador que é o mesmo que dar a volta ao Império. Foi ele Silvestre I que durante o reinado do imperador romano Constantino I, viu instaurado o cristianismo como religião do Estado. Vá lá, safou-se como um dos primeiros santos canonizados sem ter sofrido o martírio.
Desculpa lá Louçã, que lá são não sou e me perco por trilhos que não interessam.
Um "cavalo de Tróia" na península com o mesmo nome em protesto "contra os condomínios de luxo que põem em risco os ecossistemas costeiros e dificultam o acesso da população às praias".
Qual é a tua? Acessos às praias para quem? Para a horda de povo carregando sombrinhas, geleiras e adolescentes de pneu fastfoodiano, em algazarras impertinentes? Tem juízo e maneiras.
As praias que Deus ou deuses nos deram são para quem sabe gozar delas e não para quem as conspurca sem capacidade para as regenerar. Mas achas que D. Belmiro I, se dava ao trabalho de implodir e construir, investindo cacau para ficar tudo na mesma?
D. Belmiro I, concede-nos a graça de promover trabalho a milhares de gajos desocupados que de outra maneira cairiam mortos de tédio nas areias escaldantes da península.

Felizmente que tu gabiru muito terás de picar até me chegares aos miolos.
Não fora a superior visão dos autarcas CDU e PS dos Municípios de Alcácer, Grândola e Setúbal, ainda aquilo era um deserto a que tu chamarias de paraíso, como se quilómetros de areia, água salgada, trilhos de terra para lá chegar não fosse um inferno.

Abençoadas estratégia e tácticas concertadas de câmaras e empresários que possibilitam contornar a lei, e não me peçam para contar.
Jus de juris, o que é isso?

6 comentários:

Filipe disse...

Epá! Este saiu-te com força!
Um abraço!

Erecteu disse...

Era a que me restava ;)
Um abraço

rui disse...

Olá Compadre

Hoje levaste-me em viagem pelos primórdios da nossa civilização!
E não é que com estas (narrativas) me fazes relembrar estas fabulosas obras que li em criança (Ilíada, Odisseia)!
Cuidado com os presentes envenenados, sobretudo se forem cavalos…de Troia!
Acutilância e garra não te faltam.
Muito bom.

Abraço compadri

maria_arvore disse...

:)))

Com prosa tão cristã, ainda te canonizam Cristiano que os olhos e ouvidos dos Senhores Imperadores andam aí para subjugar as pessoas à Santa Economia. ;)

Elipse disse...

viva a lucidez!

Erecteu disse...

Maria,
Oh, se andam! E o pioe é que nem é cara a cara.
Bjs.

-----
Elipse,
:)
Beijo