domingo, 9 de setembro de 2007

Sou chegado de oito – 8 – oito dias de “alienação”.
Na TV “sic” os McCann ocupam horas, porque, implicitamente, se baldam.


Recordo que há uns tempos discordava, sem convicção, da opinião de um amigo que confidenciava achar a atitude de Kate McCann um pouco estranha. Na verdade também a achava, mas… Mas uma mãe não pode fazer mal a uma filha, por isso, o meu amigo é maluco. O comportamento estranho que eu reconhecia advinha de uma forma diferentre de cultura. Uma cultura que não leva, perante a dor, a arrepanhar os cabelos e a lançar gritos alucinantes, só, só isso.

Na primeira visita que faço, tropeço em: Ainda filhos da mãe.
Mãe é mãe. Carrega no ventre, amamenta, super-protege, é leoa, pode até ser louva-deus mas… se não o for, não há Édipo que lhe perdoe.

São assim os filhos da mãe.
***

5 comentários:

Nanny disse...

Uiii menino!

E tantas mães que nem cabras são...

Há mulheres a quem a maternidade devia estar vedada, por algum dom divino, ou assim...

Beijinhos

Elipse disse...

Nem sei que te diga!!!
Partilho da tua noção de maternidade e sou também emotiva demais na dor.
Há, contudo, situações que me ultrapassam. Primeiro porque nada está concluído e esta é mais uma suspeita, entre muitas...
Depois, porque... porque uma mentira traz um mundo cheio de outras e às vezes a mente humana engendra formas de minorar a dor...

não consigo condenar ninguém. ou não consigo condenar ainda... sei lá!

Erecteu disse...

nanny,
se o divino se preocupasse com o terreno...

-----
Elipse,
Esta reflex�o n�o � condenat�ria, parte donde parte: Os filhos da m�e - suportam pior a ideia do crime perpetrado pela m�e.

maria_arvore disse...

Erecteu,
sobre a Kate também inicialmente lhe atribui o comportamento àquilo que julgo ser a fria postura britânica.

Mas acredita que depois de ter estado numa maternidade em Portugal também fiquei a acreditar que não basta ser mãe para o ser. ;)

Num mundo actual em que no mundo do trabalho a mulher e o homem têm papéis cada vez mais equivalentes, bom seria que o mesmo acontecesse na maternidade e na paternidade. :)

E muito obrigada pela referência. :)

Erecteu disse...

Por muito que não queiras és a referência, e para langões, com'eu, dá cá um jeitão...!
Bjs