segunda-feira, 22 de janeiro de 2007

O Guelas - so chicha

SIM, ela foi sempre minha companheira mas nunca ficámos juntos na mesma carteira. É muito boa aluna a tudo mas dizia que eu é que era esperto, só porque a ajudava nas contas.
Sentava-se de lado a fazer as cópias, os ditados também; quando acabava, olhava para mim. Parecia que olhava por baixo do braço e sorria um pouquinho mas eu, então, não tinha a certeza. Quando a sousora me deu o livro, fiquei muito contente. Gostava de ler e gostava quando a professora dizia que eu tinha boa entoação. Dava era muitos erros; não vos digo quantos porque uma vez, na tropa, disse e os camaradas chamaram-me pintor. Só vos digo que cada erro era uma reguada e que eu era o único que não levava a dose toda. Esticava a mão e não fugia com ela, apetecia-me muito fugir mas tinha medo que ela estivesse a olhar. Via a régua a subir e pensava, vai doer, vai doer muito, muito e depois… doía menos.

No intervalo ela brincava com as amigas e poucas vezes me via, até porque as professoras não queria que brincássemos com as meninas, mas às vezes deixava, diziam que era quando não estava a senhora directora.
Parece que quando eu não levava a merenda, ela adivinhava. Vinha ter comigo e dizia –Ajuda-me que eu não consigo. Até o leite me dava! Os lanches dela eram tão bons! Umas vezes eram doce, eu perguntava e ela dizia: tomate, pêssego, amora, eu comi de tudo, até de morango que esse é que era muito bom, deixava cá um gosto nos bêços! mas também havia de ovo, de queijo e uma linguiça mole, muito boa.
-É isto que é “só chicha”! Dobrou-se para a frente pôs as mãos juntas entre as pernas, os cabelos tombaram para a frente; atirou-os para trás e disse a rir, segurando-me o braço -SAL-CI-CHA.
Gostava de salciha, mas gostei mais de a ver rir, SIM

7 comentários:

rui disse...

Olá Erecteu

Voltaste novamente a retratar memórias de instantes do passado.
Instantes que também me revejo, o livro da primeira classe do meu tempo, a régua, embora diferente, mas que doía na mesma, o recreio e as brincadeiras e o lanche, sempre devorado até à última migalha.
Outros tempos! Belos tempos! Boas recordações!

Um abraço meu amigo

Maria disse...

Hoje também estou numa de reviver os meus tempos de menina. Se queres saber como conheci a Ruivinha vai ler o meu post de hoje.

beijinhos da tua bolachinha*


*adoro salxixas :P

Bad disse...

ai esse livro da primeira classe, adorava tê-lo!!!!!!!!!
mudei de link, basta de clikares no perfil.

volto para comentar

beijo

maria_arvore disse...

Sim, confesso que o que eu mais gosto de te ler é nestas descrições fabulosas dos pequenos nadas que nos fazem sentir vivos e gente.

Só me arrepiei com a visão da menina de cinco-olhos, não pela lembrança da dor mas pela lembrança da humilhação.

E de salsicha, também gosto sim. ;)

Beijinhos doces

maria_arvore disse...

Sim, confesso que o que eu mais gosto de te ler é nestas descrições fabulosas dos pequenos nadas que nos fazem sentir vivos e gente.

Só me arrepiei com a visão da menina de cinco-olhos, não pela lembrança da dor mas pela lembrança da humilhação.

E de salsicha, também gosto sim. ;)

Beijinhos doces

Nanny disse...

Ai estes meninos doces...

Os erritos, ainda vais dando, mas a gente perdoa-tos... porque nos trazes sempre memórias tão boas.

Festinha da gata

Elipse disse...

ternurinha, ternurinha, ternurinha...

... foi isto que me fez sorrir, agora, aqui.

ternurinha para ti.