quinta-feira, 25 de janeiro de 2007

O Guelas - História pouco edificante

Gosto muito da escola. Agora não tem sido muito bom, o Zeca tem faltado, espero que volte. Não sei se foi por se ter zangado com a professora.

Ele é nosso amigo, é bom, só é mau quando gozam com ele. Ensina-me muitas coisas. Ele sabe tanto! No outro dia apanhámos um passarinho que caiu da árvore, foi a Joana que o apanhou. Levámos à soussora e ela disse para irmos pôr na árvore qu’ele ia morrer. O Zeca disse: -Nã mórri nada. Su prantarem lá é que morri. A professora não gostou. Disse –Prantarem, prantarem… puseREM.
Os meninos riram-se. Ele não gosta nada disso e eles estão sempre a rir. A soussora até ralhou com eles.

Fomos pô-lo na arvore, quando tocou a sineta, ele pediu-me pão mastigou e pôs a cabeça do passarinho na boca dele e deixou lá estar algum tempo, punha e tirava, depois cuspiu-lhe pó bico. Voltou a pôr na arvore mas quando acabou a aula da manhã foi buscá-lo e pô-lo aconchegado no bolso da camisa. Metia água na boca e metia-a na boca do passarinho, por fim era com o dedo que deixava escorrer umas gotas e o passarinho já abria o bico.
Os meninos foram fazer queixinhas. –O Rolha tá com o passarinho. A professora foi ver. A professora deixou o Zeca tomar conta dele, até disse que o podia levar para a aula. Bem feito.

À tarde tivemos aritmética. Já estamos a estudar a tabuada dos seis. Aí é que foram elas. O Zeca é o que faz mais rápido de todos e eu acho que a professora não quer que ele faça como faz.

A profesora começou a escrever no quadro:
.
6X1=
6X2=
6X3=
.... e ele de seguida: Sês, dôzi, dezôito
A soussora parou, olhou para ele e perguntou.
–Quem te ensinou?
-Sê, vi mê paí fazêri!
Mandou-o ao quadro e ele fez:
-Ai é? E quando for 4 X 12, é igual a quê? Vais passar a tarde a contar bolinhas, é?
Ele fez logo de fugida nem pôs bolinhas:
Eu não percebi nada. Ela ficou a olhar para ele e disse: -Tá certo vai-te sentar. Quando ele ia a “assentar-se”, ela disse a rir –É a lei da rolha. Os meninos desataram a rir. Ele não se sentou; agarrou nas coisas pôs na sacola e ía a sair. A soussora perguntou:

-Onde vais, que é isso?
-Éi a lê da porra

8 comentários:

Maria disse...

Há professores assim...

...que não gostam que os alunos sejam mais espertos que eles...


beijinhos meu fofo, bom fim-de-semana

rui disse...

Olá Erecteu
Fantástico!
O livro da segunda classe e, a tabuada! Quantas dores de cabeça!
E os falares! Ai, esses falares são o máximo!
É edificante recordar e transcrever instantes do passado.
Nostalgia! Não, é cultura.
Um grande abraço, compadre

Erecteu disse...

Rija bolachinha,
A minha ideia era outra... depois se verá se lá consigo chegar.

-----
Compadre Rui,
Levei muita porradinha para a prender (decorar) a tabuada. Já iam na dos seis quando, surpreendentemente, me saiu direitinho a dos dois; vê lá o tamanho deste chaparro.

Muito mais tarde descobri que a multiplicação, é uma soma sucessiva, devo ter-me sentido um Pedro Nunes.
E esta é que é a vedade, não é publicidade como o post.~
Um abração

Nanny disse...

Passo por aqui, sento-me numa carteira ao fundo da sala, muito quietinha e fico a ver, deliciada, estes teus personagens.

Acho que ouvi o passarinho piar no bolso dele...

Esta forma de fazer contas é fabulosa - já vi fazer multiplicações muito complexas assim e bate sempre certo, um espectáculo!

E não acho nada que a professora tenha sido má, só ficou desarmada por um garoto a ter ensinado e não a inversa!

Festinha da gata
P.S. - Um destes dias abrimos essa garrafa de vinho ;-)

Maria disse...

A professora levou uma grand'abada, isso sim*


:P

maria_arvore disse...

É 'muita' difícil aguentar com a diferença dos outros ... ;) sobretudo quando se quer manter o poder humilhando os saberes dos outros para prevalecer o nosso, como o fez a 'soussora'...

Sabes, é como muita gente ainda hoje que tem dificuldade em elogiar os outros por pensar que se desvaloriza ao valorizar os outros... santa paciência!...

Elipse disse...

este tipo de rebeldia queria eu encontrar em cada um deles. desafio qb para ser bom!!!

mas não... é um raio de rebeldia mal cheirosa e pouco mais!

Erecteu disse...

Nanni,
A professora e o Zeca têm uma relação dinâmica.

Não venhas depressa não... hoje já marchou uma com dois bons e genuínos compadres, somente refiro uns pimentos assados temperados com alho sal azête e vinagre tinto qb e uns queijinho... uhmm, não te conto mais sob risco de denunciar a minha faceta maso ;)

Segundo me contaram o passareco já se meche.

Beijinhos.

----
Bolachinha minha,
Vamos a ver se a soussora encixou.
Beijos.

-----
Maria-Baum,
O Zeca não lhe deu hipóteses. Due o coice mais depressa e forte que espingarda de dois canos.
Se calhar ficou " alarpadada" ;)
Beijinhos

----
Elipse,
Ganhaste a ginginha.
O que o Zeca tem de malcheiroso é ancestral, tem cheiros fumo e a borrego entranhado há gerações, a rebeldia dele cheira a feno e rosmaninho.
Beijokas.

----
Meninas componham-se que vou aí espreitar as vossas janelas.