sexta-feira, 25 de abril de 2008

E o resto? Não dá zero!

Dos inquiridos, metade entre os 15 e os 18 e 1/3 dos 19 aos não sei quantos (34? pois 34 tem abril) não sabem: quantos paises constituem a União Europeia; quem foi o primeiro Presidente da Republica, eleito após o 25 de Abril; se o PS tem a maioria absoluta!!!
Ora tomem lá.

E já agora, obrigado Aníbal que em boa hora mandaste fazer esse inquérito, mas se não te importas venham de lá essas conclusões e respectivas medidas, antes que alguém clame que está comprovada a teoria da "geração rasca".
Quem diria! Quem diria que não sabem, pelo menos, que são mais de doze e menos de trinta? Quem diria que não têm a vaga ideia da figura prussiana, apinochetada, de um general que afinal não era bem o que parecia, que não gostava de coboiadas aventureiras e que de chaimite em riste pôs fim à sétima cavalaria? Quem diria que não sentem que um mar de rosas de promessas eleitorais tomou de assalto o parlamento, qual corsarios das caraíbas, e se tornou num mar de rosas de reformas?
Pfff, que juventude!
Atrevidamente, sugiro-te Aníbal que lhes dês un estalo sem luva. Manda inquerir, se te aprouver, se os teus cidadãos seniores sabem sobre o Tratado de Lisboa:
  • O que é?
  • Como foi adoptado pelo Estado Português (e como tinha sido prometido fazê-lo)?
  • Quem contribuiu para a forma como foi aprovado, e porquê?
É sabido que esta geração não é fruto de geração espontânea, né?

*
**
E já agora, porque os corsarios vieram à baila, permitam-me a "piratisse" e entendam-se com o Camané, que não tem nada a ver com ete assunto.







.

.

Ciúme da saudade (Manuela de Freitas)

se não matas a saudade
quando morres de vontade
de pôr à saudade fim
é talvez porque preferes
ter da saudade o que queres
e não me pedes a mim
é talvez porque preferes

ter da saudade o que queres

mas não me pedes a mim
a saudade em que me deixas
é penhor das tuas queixas
por não dizeres a verdade
bastava que me pedisses
de cada vez que me visses
o que pedes à saudade
o que dás se me não vês
não consigo que me dês
por timidez ou vaidade
e a saudade que vais tendo
com ela vives morrendo
para me matares de saudade
talvez seja o que tu queres
e é por isso que preferes
a saudade em vez de mim
morrendo os dois de saudade
temos toda a eternidade
para pôr à saudade fim

3 comentários:

maria_arvore disse...

:)))

Depois das laranjas amargas estamos a viver em rosa choque. :(
Um estado de delicodoce alterne em que a ignorância é a alma do negócio para se ganharem eleições. E a memória é como os independentes: muito imprevisível. ;)

Dumuro disse...

See Please Here

Teardrops disse...

E não é que continuas reclamante...?

Os tempos estão de águas mornas... parece que já ninguém as quer agitar muito... ;-)

Beijinho