sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Gente Perdida

Há três anos comecei assim, com este poema, e entretanto aprendi alguma coisa, como por exemplo, a pôr musica no blog, vejam lá!!!
Confesso que gostaria de esquecer outras coisas que aprendi. Fiquemos assim, até qualquer dia.
.



Gente Perdida - Mafalda Veiga
.




Eu fui devagarinho, com medo de falhar
Não fosse esse o caminho certo para te encontrar
Fui descobrindo devagar cada sorriso teu
Fui aprendendo a procurar por entre sonhos meus
Eu fui assim chegando, sem entender porque
Ja foram tantas vezes, tantas assim como esta vez
Mas mais fundo o teu olhar, mais do que eu sei dizer
um abrigo para voltar,
Ou um mar pra me perder

Refrão:

Lá fora, o vento, nem sempre sabe a liberdade
A gente finge mas sabe o que não verdade
Foge ao vazio, enquanto brinda, dança e salta
Eu trago-te comigo e sinto tanto tanto a tua falta
Eu fui entrando pouco a pouco, abri a porta e vi
Que havia lume aceso e um lugar pra mim
Quase me assusta descobrir que foi este sabor
Que a vida inteira procurei entre a paixão e a dor
Lá fora, o vento, nem sempre sabe a liberdade
Gente perdida balança entre o sonho e a verdade
Foge ao vazio, enquanto brinda, dança e salta
Eu trago-te comigo, e sinto tanto tanto a tua falta
(3x)
Lá fora, o vento, nem sempre sabe sabe a liberdade
Gente perdida balança entre o sonho e a verdade
Foge ao vazio, enquanto bebe, dança e ri
Eu trago-te comigo
E guardo este abraço só pra ti

3 comentários:

Zé dos papéis disse...

Deu-me para pensar...
A Mafalda é uma daquelas presenças discretas que me acompanha desde puto! Pois é!

vague disse...

Hum, acho q um mês de abstinência já chega :)

Posso desafiar-te para uma coisa lá no blog? Ou és imune a desafios?

:P

cer disse...

Lá fora, o vento, nem sempre sabe a liberdade...